DSC_0236

Alerj: Representante da UPPES defende valorização do magistério em audiência pública

DSC_0328     Ao participar da audiência pública da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), no dia 20 de junho, a psicóloga da UPPE-Sindicato, Márcia Cardoso de Barros, criticou os dados apresentados pela Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) sobre a situação das escolas e dos professores. Na ocasião, foi apresentado o relatório dos indicadores educacionais, de acordo com o previsto na Lei de Responsabilidade Educacional. A audiência contou com a presença do secretário estadual de educação, Wagner Victer.

      A psicóloga  destacou a ausência de ações voltadas à valorização dos professores e criticou os dados apresentados pela Seeduc. “Novamente, de tantos projetos e ações que o governo vem realizando, ele deixa de cumprir com sua responsabilidade em relação aos docentes. Aqueles profissionais que estão, todos os dias, dentro da sala de aula. Isso invalida, no nosso ponto de vista, a missão de qualquer projeto que esteja acontecendo, além disso, nós temos dados de que todos  esses projetos que, de alguma forma, estão sendo implantados nas unidades escolares, a maioria dos nossos alunos não conseguem acesso”, frisou.

      Segundo ela, a desvalorização e falta do reajuste salarial tem levado muitos professores ao adoecimento. Há quatro anos, não há recomposição do salários dos professores. “Durante toda exposição, o nosso estado foi colocado nos maiores índices do Brasil e, equivocadamente, nosso corpo de professores como alguém que não tem valor. A UPPES tem um trabalho direcionado aos professores, pois somos um sindicato de professores e estamos ali, todos os dias. Como psicóloga, atendo uma enormidade de professores que estão adoecidos, a nível de saúde mental e física, por tantos anos de desrespeito e desvalorização. Então, é incoerente a secretaria expor seu programa, onde esse profissional não apareça, é sempre colocado, por anos e anos, de lado. Isso inviabiliza qualquer programa educacional que exista”, assinalou.

Falta de reajuste salarial

     Márcia Cardoso também criticou o congelamento de salários por parte do governo ao professorado fluminense. “Nós estamos tentando audiência, temos enviado vários ofícios, pelo reajuste salarial, pelo enquadramento por formação, que é um direito do professor e esse direito está, o tempo todo, sendo violado”, afirmou.

       DSC_0235O secretário estadual de educação, Wagner Victer, juntamente com toda equipe técnica e pedagógica da Seeduc apresentou os relatórios dos indicadores educacionais do Estado do Rio de Janeiro como: evasão escolar, taxa de analfabetismo, o número de unidades escolares e seu funcionamento, a implementação do ensino técnico e profissionalizante, merenda escolar, avanços educacionais, além de relatório sobre os profissionais  que atuam na pasta – como professores e funcionários administrativos, infraestrutura, entre outros.

      O presidente da Comissão de Educação, deputado Comte Bittencourt, criticou as opções do executivo, no que diz respeito à educação. “É um momento de crise de gestão do Estado e o fundo  disso tudo são os recursos da educação sendo usados em outras políticas públicas”, ressaltou o parlamentar, que também destacou a importância da apresentação dos índices educacionais. “A finalidade desses números é sistematizar um acompanhamento, ano a ano, e ver se realmente está havendo progresso ou não e quais são as políticas implementadas. Somos o único estado do Brasil que tem uma Lei de Responsabilidade Educacional, votada nesta casa (Alerj), que obriga a secretaria, pelo menos uma vez por ano, a apresentar a evolução desses dados, dando transparência aos indicadores educacionais, podendo avaliar o passado e olhar o futuro”, declarou.

     Também estiveram presentes na audiência os deputados: Dr. Julianelli , Flávio Serafini, Paulo Ramos, Tio Carlos e Waldeck Carneiro, além de superintendentes e subsecretários da SEEDUC, bem como o presidente da Associação dos Estudantes Secundaristas do Estado do Rio de Janeiro, Ian Vitor Queiroz.

 

0 tas

Comente aqui

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *