Site 2

Alerj: Presidente da UPPE-Sindicato reivindica investimento em educação e valorização do magistério em audiência pública

DSC_0050   A presidente da UPPE-Sindicato, Teresinha Machado da Silva, em mais uma audiência pública da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), reivindicou investimento em educação e valorização do magistério. A última audiência do ano, realizada nesta quarta-feira (13/12), contou com a participação do secretário estadual de Educação, Wagner victer, que apresentou o relatório anual da Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) e o planejamento da pasta para 2018. A diretoria executiva e conselheiras do sindicato também participou do debate, empunhando cartazes em protesto ao atual cenário educacional e político no estado.

       Durante seu pronunciamento, a sindicalista destacou a desvalorização do magistério público e o desmonte da educação pública como um todo. Ela criticou a apresentação dos resultados da Seeduc, no ano de 2017, mostrados pelo secretário Wagner Victer. “O que nós presenciamos nas escolas e o que chega para nós no sindicato, é muito diferente de tudo que foi mostrado aqui. Não existe essa alegria e felicidade, pelo contrário. Está havendo um grande desmonte na educação do estado do Rio”, afirmou.

       De acordo com a educadora, é necessário haver uma restruturação no sistema educacional brasileiro, tendo em visa, a ocupação dos mais baixos índices educacionais nternacionais. “O Brasil ocupa o vergonhoso 65º lugar, entre 70 países, avaliados pelo Pisa (Programme for International Student Assessment – Programa Internacional de Avaliação de Estudantes). Nós estamos fracassados na questão educacional”, frisou.

     A grave situação dos professores aposentados também foi destacado pela sindicalista, que cobrou a valorização do magistério. “Eu não gostaria de dizer, mas nós tivemos infelicidade de ter uma professora que se suicidou. O professor não quer ficar com dívidas e sem receber. Estamos há quase quatro anos sem reajuste. A única vez que tivemos alterações no salário, foi um desconto de 3%. Quando a alíquota previdenciária foi elevada o salário reduziu. A inflação continua, está menor, mas continua. Como pode sobreviver um professor? O educador precisa ser valorizado. Se ele sabe, que no final da carreira, dependerá de receber de amigos remédios e comida, ele não escolherá o magistério. Por isso, o número de professores está diminuindo”, salientou.

Nomeação de professores concursados

     Durante a apresentação, o secretário de educação sinalizou que, a partir do ano que vem, há a possibilidade, de nomeação dos 923 professores concursados que aguardam a nomeação, por parte da Seeduc. Contudo ele informou que a Procuradoria Geral do Estado (PGE-RJ) está analisando uma decisão judicial que impede a contratação por ultrapassar o limite de despesa de pessoal. Segundo ele, superada esta análise, a Seeduc iniciará o processo de contratação dos concursados.

     A presidente da UPPES, Teresinha Machado da Silva, chamou a atenção para o fato e relembrou a dura jornada dos docentes e o apoio do sindicato para que as nomeações se concretizassem. “Aqui foi dito sore a nomeação dos 923 professores que aguardavam a nomeação. Gostaríamos de lembrar, que a baluarte dessas nomeações foi a UPPES. Nós, desde o início, acompanhamos essa situação e prestamos nosso apoio”, assinalou.

       O presidente da comissão, deputado Comte Bittencourt, afirmou que Educação é uma das prioridades e umas das exceções da lei de calamidade. “Vale lembrar que tanto a lei que estabelece a calamidade fiscal do estado do Rio, como a própria legislação de limites de pessoal, reconsidera quando se trata das obrigações educacionais. Como você oferece educação se faltam professores? Essa é uma carência vigente e a Procuradoria também entenderá dessa forma”, ressaltou o parlamentar.

 

Sucateamento da rede

       A educadora também ressaltou a situação de sucateamento e fechamento de unidades escolares. “O programa Dupla Escola foi uma iniciativa da gestão anterior e estamos sabendo que algumas unidades tem piorado. Não estão trabalhando da mesma forma. Outra questão diz respeito ao fechamento de escolas, a Seeduc está fechando unidades ou passando a responsabilidade para os municípios. Como se a Constituição Federal não determinasse que a educação é responsabilidade dos governos federal, estadual e municipal. O primeiro ciclo do ensino fica a cargo do município por uma questão estratégica, não por obrigação. A Escola Estadual Bezerra de Menezes, em Paraíba do Sul, uma unidade tradicional, tombada pelo patrimônio histórico está em péssimas condições, ou seja, está literalmente tombada, não como patrimônio novamente, ela está caindo”.

Falta de compromisso com educação

       De acordo com a presidente da UPPES, há no país a falta de compromisso das autoridades governamentais com o sistema educacional como um todo. “Não existe neste país, neste estado, um compromisso sério com a educação, essa é a verdade. E o que nós queremos é fazer com que todos presentes, deputados, secretário, pessoal da Seeduc e todos os alunos, que possamos nos unir para tirar a educação da situação a qual ela se encontra. Precisamos nos unir, estar mais juntos para mudar esse quadro”, frisou. Segundo ela, todo descompromisso governamental com a educação se reflete em diversas questões de ordem social e pública.

Enquadramento por formação

    O diretor de Relações Públicas e Divulgação da UPPES, Raymundo Nery Stelling Junior, durante seu pronunciamento, ressaltou a situação do enquadramento por formação dos professores, o qual não vem sendo cumprido pela Seeduc. “O enquadramento por formação dos docentes, que não acontece há muito tempo, nos traz grande preocupação, pois a classe, conforme já dito pela presidente, está desprestigiada em relação a salários. O não cumprimento do enquadramento ocasiona ainda mais perdas”, afirmou.

    O educador também demonstrou preocupação com o fechamento de escolas e turnos por todo estado. “Fechamento de escolas e turnos tem que ser vistos com muito cuidado, sobretudo, pelo fato de vivermos no estado do Rio uma realidade social contundente. Então, jovens de áreas distintas estão subordinados, infelizmente, a poderes distintos. Na hora que você agrupa em certos espaços, jovens oriundos de uma área para outra, isso causa uma série de problemas, inclusive, a não ida para a escola, por questões de vida, como sabemos. Então, temos visto com muita preocupação essa questão”, destacou.

cartazes Alerj

 Protesto

   Diretoras da UPPE-Sindicato: Abigail Amim, Eliane Seabra, Neuza Caldas, Lucinda Bezerra, Vanença Moraes e as conselheiras: Doris Abreu, Therezinha Pacheco, Maria de Lourdes e Maria Cândida, além da representante regional Aparecida Travassos, empunharam uma série de cartazes, onde protestavam pelas questões salariais dos aposentados e pensionistas, além de cobrar investimento em educação.

Passe Livre

    A última audiência pública da Comissão de Educação do ano também foi marcada pela garantia do passe-livre a todos os estudantes de escolas municipais e federais. Em maio deste ano, a Seeduc anunciou o fim do passe livre para estudantes da rede pública municipal e federal, mas uma liminar da justiça suspendeu a decisão. Dessa vez, a continuidade do direito dos estudantes foi assegurada pelo projeto de lei 2768/17 assinado por 37 deputados modificando a norma atual e garantindo a gratuidade para as redes municipal e federal. O projeto agora irá a sanção do governador.

    Presidida pelo deputado Comte Bittencourt, a audiência pública também contou com as participações dos deputados: Gilberto Palmares, Tio Carlos, Waldeck Carneiro, Dr. Julianelli, Flávio Serafini, Eliomar Coelho e Marcelo Freixo, além de toda equipe técnica da Seeduc e representações de alunos e pais.

2 tas
  1. RODRIGO DA SILVA BITTENCOURT
    RODRIGO DA SILVA BITTENCOURT says:

    Neste site, novamente registro o meu agradecimento aos colegas da UPPES pelo apoio incansável aos novos concursados da SEEDUC, aposentados e demais membros deste processo educacional.
    O pessoal de um sindicato pelego deveria fazer estágio aí para aprender como funciona uma verdadeira representação classista!
    Enfim, parabéns à UPPES!

    Responder
  2. Rose Calisto de Sousa
    Rose Calisto de Sousa says:

    Mais uma vez agradeço ao Sincato por ser incansável na cobrança pelo Enquadramento. Estou aguardando desde março de 2013…

    Responder

Comente aqui

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *